A queda de cabelo é uma das reclamações mais frequentes nos consultórios dermatológicos do país. Segundo dados da Associação Brasileira de Cirurgia de Restauração Capilar, atinge cerca de 25% das brasileiras, entre 35 e 40 anos, e 50% das mulheres com mais de 40 anos. Já os homens, 40% deles apresentam esse distúrbio antes dos 35 anos. Perceber uma quantidade de fios ao passar a mão no cabelo é um indício desse problema, assim como observar que estão espalhados de forma generalizada pela casa e nas roupas. O tempo de vida de um fio é de aproximadamente sete anos e ele cresce em média 1,2 centímetros por mês, por isso é importante não negligenciar os sintomas, pois quando um fio é perdido, leva até dez anos para crescer novamente de forma natural e, muitas vezes, apenas um transplante pode solucionar a questão estética.

Queda de cabelo é sinal que algo não vai bem com a saúde e as causas podem variar desde a fatores hormonais (a exemplo do hipotireoidismo), anemia, ausência de vitaminas, doenças autoimunes e até mesmo fatores externos, como o uso de medicamentos anticoncepcionais, estresses emocionais e após procedimentos cirúrgicos.

É nesse contexto que fatores metabólicos interferem de forma significativa no enfraquecimento dos fios, devido a má alimentação ou absorção insuficiente de nutrientes. O cabelo é formado por duas proteínas, a queratina (que fortalece os fios) e a melanina (que dá cor), que por sua vez, precisam de nutrientes como vitamina, sais minerais e aminoácidos. Por isso, uma dieta muito restritiva e alimentos pobres nutricionalmente podem levar a esse problema. Para uma boa saúde capilar duas substâncias são importantes, o ferro e as vitaminas do complexo B, estas últimas essenciais para a produção da queratina.

Por isso, muitos prescritores ao receber pacientes em seus consultórios relatando o problema de queda de cabelo, avaliam as suas características e estilo de vida, e ao entender o seu histórico receitam uma suplementação, com o objetivo de supri a deficiência no organismo que está causando a queda de cabelo.

A ação do silício orgânico no fortalecimento dos fios de cabelo

Um exemplo é a suplementação com nutracêuticos, em especial o silício orgânico, conhecido sob a forma de BioSil™. O ativo beneficia a pele, cabelos, unhas, ossos e articulações, por meio de uma tecnologia diferenciada, ch-OSA™ (um complexo único e patenteado de ácido ortosilícico estabilizado em colina, um nutriente que faz parte das vitaminas do complexo B), que faz com que ele seja o produto do gênero mais absorvido pelo organismo. No corpo, esse mineral atua no tecido conjuntivo, especificamente nas unhas e nos cabelos, proporcionando o fortalecimento por meio da síntese de colágeno e estímulo dos queratinócitos (células formadoras de cabelo).

“Devido a muitas queixas de queda de cabelo, enfraquecimento dos fios e unhas, meu médico prescreveu BioSil™. Na época até trazia dos Estados Unidos, mas este ano descobri que encontro nas farmácias de manipulação. Já faço uso há 1 ano (tomo duas cápsulas por dia) e não pretendo parar mais de usar, pois sinto uma diferença incrível no volume e resistência dos fios, e também sento uma boa melhora na elasticidade da minha pele, pois BioSil™ estimula a produção de colágeno”, conta a dentista carioca, Natália Schubert.

Além da suplementação, nos alimentos como carnes vermelhas, ovos, frutos do mar e leite, também é possível encontrar nutrientes para manter o bom funcionamento do metabolismo e evitar a queda de cabelo.